segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Folhetim


Folhetim
 
Se acaso me quiseres,
Sou dessas mulheres
Que só dizem "sim!",
Por uma coisa à toa,
Uma noitada boa,
Um cinema, um botequim.


E, se tiveres renda
Aceito uma prenda,
Qualquer coisa assim,
Como uma pedra falsa,
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim.


E eu te farei as vontades.
Direi meias verdades
Sempre à meia luz.
E te farei, vaidoso, supor
Que é o maior e que me possuis.


Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte:
Te afasta de mim,
Pois já não vales nada,
És página virada,
Descartada do meu folhetim.


Chico Buarque


 Blog de meuamorvirtual : Borboletando, Folhetim


A Mulher Nas Canções de Chico Buarque


A Prostituta


 A música Folhetim traz novamente o discurso feminino nas canções de Chico Buarque, mas agora a de um outra figura de mulher, desmistificando a imagem de uma mulher marginalizada: a prostituta.


Ela também tem voz em várias músicas de Chico Buarque, apresentando a sua visão de mundo, os seus sonhos, esperanças e frustrações. A prostituta sempre foi e ainda é uma figura "invisível", de uma certa forma. Atua nos bastidores da vida, é uma "clandestina" na sociedade.


Ver o mundo através do olhar de uma prostituta é difícil até para uma mulher... para mim, confesso, sempre foi difícil ter essa visão. No entanto, ela aparece com toda a sensibilidade que Chico Buarque demonstra ter nas múltiplas facetas com que mostra a figura feminina.


Em Ana de Amsterdam, o eu-lirico descreve a sua vida: "Sou Ana da cama, da cana, fulana, sacana...", descreve alguns sonhos: "Eu cruzei um oceano, na esperança de casar...", para depois cair na realidade: " Hoje sou carta marcada/Hoje sou jogo de azar."


Em Tango de Nancy, composta em parceria com Edu Lobo, ele volta novamente à figura da prostituta, de novo sob o prisma feminino: "Quem sou eu para falar de amor/ Se de tanto me entregar nunca fui minha...".


Em Folhetim temos a mulher que só diz sim e que se entrega por qualquer coisa à toa mas, no final, é ela quem o descarta, quem "dá as cartas": "Pois já não vales nada/ És página virada/ Descartada do meu folhetim."
  
E assim temos mais uma imagem de uma mulher real, com seus dramas, suas dores, suas desilusões, sua vida à parte, descartada da sociedade.

Beijos, 


com carinho


Isabel


Blog de meuamorvirtual : Borboletando, Folhetim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...