sábado, 22 de junho de 2013

Longe de Ti


Longe de Ti

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!


Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas...
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!


Os dias são outonos: choram... choram...
Há crisântemos roxos que descoram...
Há murmúrios dolentes de segredos...


Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!...


Florbela Espanca




Lindas e ricas as metáforas que a Florbela utiliza neste soneto para expressar a tristeza que sente quando está longe da pessoa amada: "Meus olhos são dois velhos pobrezinhos/ Perdidos pelas noites invernosas..."; "Os dias são outonos: choram... choram..."


A expressividade, a passionalidade, a força que vem de suas palavras nos envolvem, nos levam a sentir a grandeza desta falta, a imensidão deste sentimento...


É este amor sem medidas, é essa entrega total e até essa dor ao extremo, que dão aos poemas da Florbela Espanca uma riqueza ímpar, uma beleza e uma força raramente encontrados em outros poetas.


Um lindo final de semana para todos!


com carinho


Isabel


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Jeito de Olhar



"Os tristes acham que o vento geme; Os alegres acham que ele canta."
Luiz F.Veríssimo

 

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença.




Jeito de Olhar


A cor da argila no telhado,
a agitação da folha na palmeira,
o som de uma pedra que
é atirada num pequeno lago.


Meu mundo tem poucos
endereços, mas a paisagem
é infinita e sempre muda,


dependendo do sol, da lua
e do meu jeito de olhar
o interior do que chamo vida.


Álvaro Bastos



É essa maneira de ver a vida, com o olhar acostumado, que faz com que não percebamos as belezas da vida, com que somos presenteados todos os dias.

É o olhar acostumado que não nos deixa valorizar as pessoas que amamos e que nos amam... tão simples, elas estão sempre ali, disponíveis, acessíveis... e deixamos de perceber o quanto são importantes. 

Diferente do olhar da criança, que se encanta com coisas tão corriqueiras, tão banais...diferente do olhar do poeta, que descobre a beleza escondida em coisas tão cotidianas.

A beleza da vida depende do jeito de olhar...de descobrir encantos diferentes na mesma paisagem, nas mesmas pessoas. Mesmo porque nada é sempre igual...

Lembro-me sempre de uma estrofe de um poema de Myrtes Mathias, intitulado "Lama e Estrela":


"Dois presos olhavam pela mesma grade
Da cela escura, à guisa de janela.
Um olhando o chão: - Só vejo lama.
O outro o céu: - Que linda estrela!"


Que o nosso olhar passe a perceber tantas coisas novas nas velhas coisas do dia-a-dia!


Um lindo dia para todos!


Beijos


Isabel


terça-feira, 18 de junho de 2013

Cantadas Encantadoras










Com cantadas como estas, quem resiste?!

Beijos



Abençoadas Sejam...


Abençoadas sejam as surpresas risonhas do caminho.
As belezas que se mostram sem fazer suspense.
As afeições compartilhadas sem esforço.
Às vezes em que a vida nos tira pra dançar sem nos dar tempo de recusar o convite.
As maravilhas todas da natureza, sempre surpreendentes, à espera da nossa entrega apreciativa.
A compreensão que floresce, clara e mansa, quando os olhos que veem são da bondade.
Abençoados sejam os presentes fáceis de serem abertos.
Os encantos que desnudam o erotismo da alma.
Os momentos felizes que passam longe das catracas da expectativa.
Os improvisos bons que desmancham o penteado arrumadinho dos roteiros da gente.
Os diálogos que acontecem no idioma pátrio do coração.
Abençoada seja a leveza, meu Deus.
Abençoadas sejam as dádivas generosas que vêm nos lembrar que viver pode ser mais fácil.
Que amar e ser amado pode ser mais fluido.
Que dá pra girar o dial.
Que dá pra sair da frequência da escassez e sintonizar a estação da disponibilidade, onde alegrias já cantam, mas a gente não ouve.
Abençoadas sejam as dádivas que vêm nos lembrar, com alívio, que há lugares de descanso para os nossos cansaços.
Que há lugares de afrouxamento para os nossos apertos. Que dá pra mudar o foco. Que não é tão complicado assim saborear a graça possível que mora em cada instante.
Ana Jácomo


Abençoado seja este nosso dia!

Isabel


segunda-feira, 17 de junho de 2013

A Difícil Arte da Paciência

A Difícil Arte da Paciência

Ai, que esperar cansa!!! E causa desânimo! E pré-ocupa as nossas mentes.

Por que preocupar tem sempre uma conotação negativa, se na realidade significa ocupar com antecipação? Deve ser por causa dessa nossa mania de que devemos pré-ocupar nossa cabeça, que devemos nos pré-ocupar com problemas, tragédias, coisas ruins. Alguns, mais sábios, se pré-ocupam com sonhos, mas nem mesmo chamam isso de preocupação.

Sabemos perfeitamente como funciona a vida e que precisamos saber esperar o que não temos controle. Mesmo as flores esperam sua hora de desabrochar.

E pra vida não queremos esperar. Queremos desejar e no minuto seguinte ver o resultado, como se não fosse preciso a maturação dos nossos desejos. Trazemos para nós, antecipadamente e muitas vezes inutilmente, doenças físicas e espirituais.

Muitas vezes pegamos um atalho e chegamos mais rápido, mas com isso perdemos muito da beleza do caminho. Chegamos mais cedo sim, mas de certa forma alguma coisa ficou faltando. Não é assim com as crianças e adolescentes que vivem cedo demais a vida adulta?

Se colhemos uma flor em botão, impedimos a ela e a nós a sua plenitude.

Mas que é difícil ser paciente, isso é! Há horas em que queremos pegar o relógio do tempo e girar os ponteiros com nossas mãos para que o dia seguinte chegue logo; queremos dormir muito para não ver as horas se desfilando graciosamente diante dos nossos olhos; queremos pensar em outras coisas, mas não conseguimos.

Sacrificamos, dessa forma, nosso presente, por um futuro desconhecido, que nem sempre será de acordo com o que pensamos.

Pessoas que esperam por um dia feliz jogam fora a felicidade do presente com a ansiedade do amanhã.

Pior é quando esperamos pelo resultado de um exame com probabilidades negativas. Aí então, nosso hoje fica realmente perdido. Choramos antes, temos dores de cabeça antes, não dormimos antes... o presente torna-se não somente inútil, mas quase insuportável. Não temos, infelizmente, essa capacidade gloriosa de nos dizer: "deixa para eu sofrer para quando souber do resultado definitivo e se não for o que se espera, não sofri por nada."

Se há um tempo para todas as coisas, deixemos então que cada coisa chegue na sua vez. Vamos abraçando-as uma a uma à medida que chegam até nós, vivendo o minuto presente que é a graça diária que Deus nos oferece.

Aprender a paciência é uma arte, provavelmente a mais difícil de todas. Ela exige muito de nós, exige autocontrole, exige determinação.

Viva o hoje! Viva a hora de agora! O amanhã pode tanto esperar por você quanto você espera por ele.

Letícia Thompson


Bom dia, queridos amigos!

Neste tempo em que tudo é automático, não desenvolvemos a nossa capacidade de esperar, de ter paciência. E, por mais que tudo esteja assim tão automatizado, continuamos com pressa, sem tempo. O dia é pouco para tantos afazeres. Não desenvolvemos a capacidade da contemplação, de admirar a paisagem, o caminho, porque o nosso objetivo é a chegada.

Até os relacionamentos entraram neste ritmo. Não há mais tempo para a maturação, para o conhecimento, para o namoro. Parte-se já para as etapas finais, 'queimando' as anteriores.

Li, há algum tempo, sobre um homem que, penalizado pelo processo demorado e sofrido da borboleta para sair do casulo, quis ajudá-la, facilitando a sua saída. O resultado é que ela não tornou-se apta para voar. Ela precisava passar pelo processo lento da maturação, assim como nós precisamos passar por muitos processos para adquirir maturidade.

Então, pra que a pressa?! Deixemos que as coisas aconteçam no seu tempo, no tempo certo. Aprendamos a exercitar o dom da paciência!

Beijos, tenham todos uma semana maravilhosa!

Isabel



terça-feira, 11 de junho de 2013

A Linha e o Linho


A Linha e o Linho

É a sua vida que eu quero bordar na minha
Como se eu fosse pano e você fosse a linha
E a agulha do real nas mãos da fantasia
Fosse bordando, ponto a ponto, nosso dia-a-dia

E fosse aparecendo aos poucos nosso amor
Os nossos sentimentos loucos, nosso amor
O ziguezague do tormento, as cores da alegria
A curva generosa da compreensão
Formando a pétala da rosa da paixão

A sua vida, o meu caminho, nosso amor
Você e a linha, e eu o linho, nosso amor
Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa
Reproduzidos no bordado a casa, a estrada, a correnteza
O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza.

 Gilberto Gil 



Eu sou encantada pela letra desta música, pela sua extrema poeticidade e beleza. Gilberto Gil usa a imagem da linha e do linho para mostrar a construção de um relacionamento como um bordado, e os sentimentos como os traços: o tormento como um ziguezague, onde a pessoa perde a noção do equilíbrio e as emoções se alteram, a alegria como linhas coloridas, a compreensão como uma curva generosa, que vai formando as pétalas da paixão.... a vida reproduzida num lindo bordado...

Se formos pensar desta maneira, de que maneira estamos bordando a nossa vida? Com cores alegres da amizade, da alegria, com a cor verde da esperança ou com cores sombrias do ressentimento, da tristeza?... Será que está ficando um bordado bonito, bem delineado, ou o desenho está um emaranhado de linhas e cores?!

A letra da música fala mais especificamente do relacionamento amoroso, feito ponto a ponto, aos poucos, com delicadeza, com capricho, com persistência, com pequenos gestos... e assim, entrelaçando a linha no linho, unindo realidade e sonho, rotina e poesia, o desenho vai aparecendo... um desenho simples "a casa, a estrada, a correnteza, o sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza", mas que formará um lindo quadro!

Que caprichemos ao máximo nesta linda arte que é amar!

Beijos, com carinho

Isabel



segunda-feira, 10 de junho de 2013

Abraço


Abraço

Entrelaçar os braços
Misturar com as tuas
As minhas linhas da mão,
Ouvir a música ardente
Dos teus anseios,
Encostar nossas almas,
Nossos olhos, costurar
Nossas esperanças,
Com o mesmo fio,
Dividir os sonhos.

Roseana Murray


Bom dia, queridos amigos!

Quase véspera do Dia dos Namorados e, para uma eterna romântica, um prato cheio para postagens que abordam o relacionamento amoroso.

Interessante os verbos usados pela Roseane para descrever esta relação: entrelaçar, misturar, ouvir, encostar, costurar e dividir... todos passam a ideia de compartilhamento, de união, de entrega. E tudo isto dentro de um abraço...

Que não nos faltem abraços como este!

Tenham todos um lindo dia e uma excelente semana!

com carinho

Isabel 

 

domingo, 9 de junho de 2013

Bonito


BONITAS são as palavras vindas do interior, as palavras simples, sinceras e significativas, o sorriso que vem de dentro,  o brilho dos olhos...

BONITO é o dia de sol depois da noite chuvosa;

BONITO é procurar estrelas no céu e dar de presente ao amigo, amiga, namorado...

BONITO é chorar quando se sentir vontade, e deixar que as lágrimas rolem sem vergonha ou medo de crítica;

BONITO é ser realista sem ser cruel,  é acreditar na beleza de todas as coisas;

BONITO é a gente continuar sendo a gente em quaisquer situações; 

BONITO é você ser você. 

 A.D.


 

Bom dia, queridos amigos!

Que neste dia aconteçam somente coisas bonitas!

Beijos

Isabel 
 



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...