sábado, 30 de janeiro de 2016

Soneto do Amor Total


Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor ... não cante
O humano coração com mais verdade ...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes
 

Olá, amigos queridos!


 Mais um soneto do Vinicius, um dos meus favoritos, contrabalançando com o anterior, que fala de um amor extremamente passional e egocêntrico. No "Soneto do Maior Amor", o foco está no próprio sentimento e na pessoa que ama. Neste, muda-se o foco, voltado agora para a pessoa amada.  "Amo-te tanto, meu amor...", ao invés de "Maior amor nem mais estranho existe que o meu..." No primeiro, o eu-lírico dirige-se a si mesmo. Neste, dirige-se à pessoa amada.

É o amor calmo, contrapondo-se ao amor tempestuoso. E, mesmo que passe-se o tempo, os anos, que mude-se a realidade, o amor permanece. Um amor prestativo, que cuida, que não prende, simples, afetuoso mas, nem por isso, sem a dose ideal de paixão, que é o alimento do amor. O amor na medida certa: como amigo, como amante, como um bicho...

É um mar sem tempestades, sem naufrágios, que conduz ao porto, que tem uma rota, um destino, ao contrário do mar tormentoso do soneto anterior, que provoca um turbilhão de sentimentos, mas que deixa no seu rastro destruição e dor.

Beijos, um ótimo dia para todos!

com carinho

Isabel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...